sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

MICHAEL CURTIZ | CASABLANCA


AS TIME GOES BY

Estava na hora de falar deste clássico absoluto de Hollywood. O filme de Michael Curtiz, o notório Casablanca, estrelado por Humphrey Bogart e Ingrid Bergman.
Um história que se passa durante a Segunda Guerra Mundial (ótimo pano de fundo),obviamente em Casablanca, no Marrocos - Norte Da África, em que vários personagens lutam pela posse de um passaporte com visto. Entre Lisboa e uma passagem para a a América, a cidade era caminho obrigatório para os refugiados do nazismo. O norte-americano Rick dirige um Night Club, onde certa noite vê entrar o grande amor de sua vida.

Imaginem uma história dessas contada no teatro? Por ser efêmero seria uma encenação sexual do acaso? Já o cinema capta as emoções e fica registrado, por isso cinema é amor. Todavia alguns casos na sétima arte, o cinema pode ser a "arte do acaso". Sem dúvida o caso de Casablanca, talvez o melhor filme a sair da fábrica de ilusões, que em sua origem era apenas mais uma produção de rotina. Com o roteiro feito às pressas, o elenco escalado por acaso e o diretor sem a menor teira ideia do que o projeto poderia dar certo, a começar pelo próprio nome. Casablanca?

O filme inteiramente rodado nos estúdios da Warner Brothers designou três roteiristas para trabalhar na adaptação. Um deles Julius J. Epstein contava que as páginas do script eram escritas diariamente, rodadas em ordem cronológica, de tal forma que os atores tinham de decorá-las às pressas sem ter noção de como seria o final. Com quem ia ficar Ingrid Bergman, com Bogart ou com Paul Henreid? A própria atriz confessava confusa.
O filme tinha também um papel patriótico porque era a época de guerra e era preciso condenar o nazismo e o governo francês colaboracionista de Vichy, representado aqui com muita ironia pelo inspetor Claude Rains. Ele tem uma frase famosa: "Mande prender os suspeitos de costume".

O estúdio hesitou muito em escolher o elenco, chegaram a pensar em alternativas tão absurdas como Heddy Lammar, a futura Dalila e o cantor Dennis Morgan, dentre muitas outras figuras. Por sorte, foi formada a dupla Bogart e Bergman, a única vez que trabalharam juntos, inconscientes da química que havia entre eles. Também a música tema do filme As Time Goes By não era inédita. Composta em 1931, nunca pode concorrer ao Oscar, aliás quase cortaram a canção do filme por insistência do autor da trilha Max Steiner (não imagino Casablanca sem essa musiquinha). E isso só não aconteceu porque Ingrid havia cortado os cabelos para outro filme (Por quem os Sinos Dobram) e não era possível mais refilmar certas cenas-chaves da fita.
Dooley wilson, que interpreta o pianista, era cantor, mas espantosamente não sabia tocar o piano, que foi dublado por Elliot Carpenter.

Curiosamente à época, o filme foi ajudado, porque justamente no momento de sua estréia as tropas aliadas tomaram a cidade de Casablanca. Talvez, por isso, acabou levando um inesperado Oscar de Filme, de direção, para o húngaro Michael Curtiz, e de roteiro. Depois foi esquecido e só nos anos 60 é que passou a ser revalorizado. Assim é que descobriram seus diálogos;os mais brilhantes que o cinema dourado já teve.
Às vezes, com um senso de humor ácido, perguntam a Bogart porque ele veio para Casablanca. "Por causa das águas", ele responde. " Mas estamos no meio do deserto! Fui mal informado", ele conclui. E com expressões que se tornaram clássicas e intraduzíveis, por exemplo, quando ele diz brindando: Here´s Looking at you Kid. Também com frases poéticas. "Nós sempre teremos Paris", ou que diz: "Você usava azul e os alemães usavam cinza".

Sem esquecer seu final clássico e super imitado - que teria sido rodado em apenas uma única tomada - e que, na verdade, tem uma conclusão ambígua; basta prestar atenção no diálogo que pode sugerir uma ligação até homossexual entre od dois: "Meu caro Louie, este é o começo de uma bela amizade!".
Em outras palavras, Casablanca é um perfeito exemplo do melhor cinema de Hollywood. Excelente cenografia, fotografia expressionista, grandes atores, em particular, os coadjuvantes e grande roteiro escrito a seis mãos.
Na época, Hollywood estava a serviço de uma causa, daí desculpar-se certos discursos a favor da liberdade, embora o duelo de hinos ainda seja comovente e não falte ao filme uma boa dose de ironia.

Antes de tudo, é um perfeito exemplo de como se contar uma história; começo, meio, fim e motivação. Prova também que cinema é um meio de atores, não há um coadjuvante, um extra/figurante que não tenha uma cara expressiva, quando não são verdadeiros monstros sagrados transbordando talento. Desde Peter Lorre, Sidney Greenstreet, S.Z. Sakall ( o garçom), o excepcional Conrad Veidt, do ótimo "Caligari" como chefe nazista, e o antigo "Homem Invisível" - Claude Rains.

A única exceção seria Paul Henreid, mas que compensado pelos outros. Bogart não poderia ser mais moderno, contemporâneo e Ingrid não poderia ser mais linda. Uma aula de cinema, documento de uma época. Curiosamente tem pouco a ver com a inexpressiva cidade marroquina (que como o nome já indica é toda pintada de branco). Como sempre, Hollywood deformava a realidade, mostrando a vida não como ela é, mas como deveria ser.


EUA-1942
99'
Romance
Distribuição: Warner Bros.
✩✩✩✩✩ EXCELENTE



WARNER BROS. Apresenta
 Humphrey Bogart. Ingrid Bergman. Paul Henreid em:
CASABLANCA
Também Estrelando: Claude Rains. Conrad Veidt
Sydney Greenstreet. Peter Lorre
S.Z.Sakall. Dooley Wilson e Marcel Dalio
Escrito por 
Julius J. Epstein. Philip G. Epstein e Howard Koch
Da peça de Murray Burnett. Joan Alison
Produzido Por HAL B. WALLIS 
Fotografafo por Arthur Edeson
Música MAX STEINER
Direção 
MICHAEL CURTIZ



4 comentários:

Paulo [ALT] disse...

Rodrigo, uma coisa você disse bem, não imagino Casablanca sem essa musiquinha haha. Pra te dizer a verdade acho que toda vez que assisto fico apreenssivo só pra chegar nessa parte, o do "Play it Sam, play it once more", algo assim.

Antes de conhecer a história e assistir lembro que o que mais me atraia era esse pôster. Os fogos por trás que se ajustava à guerra mas que também passava um ar de comemoração e o avião estacionado. Tem bem aquela coisa do preto e branco clássico e elegante. Às vezes pode não ser aquilo que você esperava, ou "tudo" aquilo, mas por todo um clima que existe em torno desse longa e de algumas cenas fez que guardasse ele num canto da minha memória com boas recordações. Adoro, mesmo não sendo o meu "preferido".

Juro que nunca reparei que podia ter uma conclusão ambígua. Vou ficar atento quando for ver novamente, tentar ver como isso pode soar já que o filme é em pleno anos 40. Ah, contiue colocando essas curiosidades aqui, adoro ler isso junto da sua interpretação. Deixa o blog bem composto também, pq não? Ah, é o que acho. É o estilo daqui.

Abraçooo

Nespoli disse...

É sem dúvida um dos melhores filmes de todos os tempos... Desde a atuação até a rilha sonora, passando pela ambientação e pela história extraordinária... Nota 1000, se possível..

Red Dust disse...

O grande clássico de amor de todos os tempos. Imbatível. Nota máxima.

Abraço.

Dewonny disse...

Esse dispensa comentários!!!
Obra prima!!! Nota 10!!!
Abs! Diego!

Acervo de Películas

00's 007 10's 20's 30's 3D 40's 50's 60's 70's 80's 90's Ação Adoro Cinema Akira Kurosawa Al Pacino Alec Guinness ALIEN Almodóvar ANG LEE Angelina Jolie Animação ARNOLD SCHWARZENEGGER Arthur P. Jacobs Audrey Hepburn Aventura Batman Bela Lugosi Bernardo Bertolucci Bette Davis Billy Wilder Blake Edwards Blaxploitation Bob Fosse Boris Karloff Brian De Palma Bryan Singer Buster Keaton Carl Laemmle Carol Reed Carrie Fisher Cary Grant Cecil B. DeMile Chaplin Charlton Heston Christopher Nolan CINE TRASH Cine-Doc CINEASTAS Cinebiografia Cinema Asiático Cinema Europeu Cinema LGBT Cinema Marginal Cinema MUDO CINEMA PRETO & BRANCO Cinema Rodrigo Clássicos Clint Eastwood Comédia Coppola Crepúsculo CULTS Curta-metragem Daniel Craig DANNY BOYLE Danny DeVito Dario Argento Darren Aronofsky David Bowie David Cronenberg David Fincher David Lean DAVID LYNCH David O. Selznick DC Comics Denzel Washington Disney Documentário Drama Drogas Eduardo Coutinho Eisenstein Elia Kazan Elvis Presley Épico Época Erotismo ESPECIAIS Fantasia Fatos Reais Fellini FERNANDO MEIRELLES FILMES IRREGULARES FOX FRANÇOIS TRUFFAUT FRANK CAPRA Frank Darabont Frank Oz Fritz Lang Gangsters Gene Wilder George A. Romero George Lucas George Miller George Stevens George Waggner Georges Méliès. Grace Kelly Greta Garbo Guerra GUEST SERIES Gus Van Sant Halloween Harold Lloyd Harrison Ford HARRY POTTER Henri-Georges Clouzot Hitchcock Home Video Homem-Aranha Howard Hawks HQ INDIANA JONES Infantil Ingmar Bergman Irmãos COEN Ivan Reitman J.J. Abrams Jack Arnold Jack Nicholson James Cameron James Stewart JAMES WHALE Japão Jason JEAN-LUC GODARD Jim Henson Joan Crawford Joel Schumacher John Carpenter John Ford JOHN HUGHES John Huston John Landis John Waters Jonathan Demme Joon Ho Bong José Mojica Marins Joseph L. Mankiwicz Kate Winslet Kevin Spacey KING KONG Kirk Douglas KRZYSZTOF KIESLOWSKI Lars Von Trier Lawrence Kasdan Leonardo DiCpario Liza Minnelli Luc Besson Luis Buñuel M.Night Shyamalan Marilyn Monroe Mário Peixoto Mark Hamill Marlene Dietrich Marlon Brando Martin Scorsese MARVEL Matinê Mel Brooks Melhores do Ano Michael Douglas Michael Jackson Michael Powell Michel Gondry Michelangelo Antonioni Milos Forman MONSTERS COLLECTION Monstros Musicais Nacional Noir NOUVELLE VAGUE O Senhor Dos Anéis Oliver Stone Orson Welles Oscar Outubro Das Bruxas P.T. ANDERSON Pam Grier Pânico Paramount Park Chan-wook Paul Verhoeven PERFIL Peter Bogdanovich PETER JACKSON Philip K. Dick Pier Paolo Pasolini Pierce Brosnan Piores do Ano Pipoca PIXAR Planeta Dos Macacos Policial Quentin Tarantino RIDLEY SCOTT RKO Road-Movie Robert Rodriguez Robert Wise Robert Zemeckis Roger Moore Rogério Sganzerla Roman Polanski Romance Sam Mendes Sam Peckinpah SAM RAIMI Sangue Scarlett Johansson Sci-Fic Sean Connery Sean Penn Sergio Leone Sessão Da Tarde Sessão Dinossauro Sessão DUPLEX Cinema MUDO Sessão Surpresa SESSÃO TRAILER Sexo SEXTA-FEIRA 13 Sharon Stone Sidney Lumet Sigourney Weaver Sofia Coppola Spielberg Stan Lee Stanley Donen Stanley Kubrick Star Trek Star Wars Stephen King SUPER HERÓIS Suspense Terror Thriller Tim Burton Timothy Dalton TOD BROWNING Tom Cruise Tom Hanks Tom Tykwer Trash TV Uma Thurman UNIVERSAL STUDIOS Violência Wachowski Walter Hugo Khouri Walter Salles Warner Wes Craven Western William Castle William Friedkin Wolfgang Petersen Wong Kar Wai Woody Allen Zé do Caixão