quarta-feira, 16 de novembro de 2011

PEDRO ALMODÓVAR | CARNE TRÊMULA

DOIS CORPOS EM UM ATÉ O ALVORECER


Depois de cumprir pena e sair da prisão, o jovem Víctor ainda é perdidamente apaixonado por Elena, mas agora, ela é casada com um ex-policial que virou um jogador de basquete famoso, paralítico por um tiro, a arma disparada por Víctor Plaza. Tumultos, reviravoltas em um noir do diretor Almodóvar. Baseado numa autoria original de Ruth Rendell (Mulheres Diabólicas). 

“Declaração estado de emergência em todo território nacional. A defesa de paz do progresso da Espanha e os direitos dos espanhóis obrigam o governo a suspender os artigos da lei que afetam a liberdade de expressão, liberdade de residência, liberdade de reunião e associação e o artigo 18, pelo qual nenhum espanhol poderá ser detido exceto nos casos e na forma que prescrevam as leis.”
Com este breve comentário político sobre a ditadura de Franco que assolou a Espanha nos anos 1970 (Almodóvar, raramente faz isso) o inquietante diretor espanhol apresenta o seu primeiro trabalho amadurecido. O filme que o consagrou ainda mais. A importância desta belíssima fita na filmografia do espanhol é pelo fato de ser um registro em película mais sério e até um tanto pessoal. Ele que vinha das divertidas e maravilhosas comédias bizarras de folhetim, com personagens ainda mais berrantes como (Mulheres À Beira de Um Ataque de Nervos, 1988), era hora de fazer algo mais firme e evitar o estilo de filme que ficou lá atrás nas suas fitas vintage. Não que seus filmes do passado fossem imaturos, muito pelo contrário, mas certamente eles não tinham o amadurecimento tão evidente como em CARNE TRÊMULA. Sucesso de Almodóvar e o seu primeiro filme realmente melodramático. Além de ser um thriller delicioso, filme sexy, erótico, é também um romance fervoroso. Baseado no livro da inglesa RUTH RENDELL de obras como A Judgment In  Stone”, que o diretor francês CLAUDE CHABROL (1930-2010) transformou em filme (Mulheres Diabólicas, 1995). Com este material adaptado escrito em parceria com JORGE GUERRICAECHEVARRÍA e RAY LORIGA, Pedro Almodóvar teve a chance de realizar algo um pouco diferente, foi mais ruptura do que em “A Pele Que Habito”, em minha opinião, em um filme fascinante, panfletado politicamente (sua crítica a ditadura de Franco e o medo dos espanhóis de sair pelas ruas em tempos conturbados) e, sobretudo, um filme noir, sombrio, porém apaixonante e extremamente passional. 
“Carne” é um híbrido de gêneros, além de ser também uma história com traços pelo tema policial. Lindamente conta a história de uma prostituta – participação especial da estreante PENÉLOPE CRUZ com o diretor -, que em janeiro de 1970 na cidade de Madri, em plena ditadura, acaba dando a luz a um menino dentro de um ônibus quando tentava chegar à maternidade. A criança acaba sendo batizada de Víctor. Passam-se vinte anos, o jovem Víctor Plaza (LIBERTO RABAL) é um homem que esta começando a amadurecer e tenta ser um moço viril apesar de ser um moleque e ganha a vida entregando pizzas. Ele tenta se encontrar novamente com uma mulher problemática que conheceu uma semana antes (mantiveram relações sexuais, mas ela estava tão drogada que não se lembrava). A mulher é Elena (FRANCESCA NERI). Quando ele toma coragem e liga para ela, a moça não tem idéia de quem seja e o menospreza. Mesmo assim, o rapaz não desamina e resolve ir até o apartamento dela para conversar. Pensando ser outra pessoa, Elena abre a porta, mas quando ela o vê fica irritada e violenta. Se para ela aquela relação foi apenas uma transa, para Víctor foi algo muito mais especial, além de ter sido a sua primeira vez. A coisa esquenta e os dois discutem até chegar para agressões físicas, mas ele apenas tenta segurá-la. Ela usa uma arma para ameaçá-lo a fim de expulsar o rapaz de lá. Uma vizinha chama a polícia. Entra na história dois policiais que faziam uma ronda de vigilância: um mais velho, Sancho (José Sancho) e outro mais jovem, chamado David (JAVIER BARDEM). Ao ver os dois policiais Víctor se apavora e faz Elena de refém. Depois de uma luta atrapalhada a arma é disparada acidentalmente e acerta David.

Seis anos depois David vive em uma cadeira de rodas, largou a polícia, e passa a jogar basquete profissional na qual o time é somente de paralíticos. Ele se torna famoso. Elena é sua esposa e tem uma nova vida. Não vive mais na marginalidade e se transforma ao extremo: é outra mulher que passa a cuidar de crianças carentes em um orfanato.

Viril, macho, amadurecido e cheio de rancor, Víctor cumpre sua pena e sai da prisão. Recebe tudo que tinha de valor material, uma casa e algumas pesetas que sua mãe deixou depois que veio a falecer decorrente a um câncer.

As vidas de Víctor, Elena e David se cruzam novamente em fortes tensões humanas num triângulo perigoso. Ele é sutil, resolve vingar-se deles perseguindo Elena e decide seduzi-la e transar com ela para depois fazê-la se apaixonar por ele (como ele por ela) para depois abandoná-la, além de criar uma crise com David. Mas, outra mulher, mais velha, entra na sua vida e para balancear ainda mais a premissa, Clara (ÁNGELA MOLINA) é por acaso mulher de Sancho.

Uma relação perigosa!
Víctor e Clara passam a manter relações sexuais, são amantes quentes. Para ele é apenas um treinamento, quer se tornar o amante mais extraordinário da Espanha e devora a mulher loucamente, mas a relação para Clara significa muito mais. De fetiche passa a ser uma paixão egoísta. Ela estava cansada de seu casamento com Sancho que a espanca diariamente, mesmo assim, ela sempre cometeu adultérios, mas sempre com medo de seu marido, louco e irracional, obcecado por ela. Aqui estão: a obsessão, fúria, loucura, paixão, romance e amor, os temperos principais e recorrentes nas fitas de Almodóvar que se convergem passionalmente nesta trama policial-romântica-noir do suspense!
O seu bom gosto pela sétima arte continua no ponto quando se inspira, metafisicamente, no filme de Buñuel – ENSAIO DE UM CRIME (1955) – para conceber a cena do tiroteio no apartamento, o plot point principal do filme. Além é claro, de muito suspense Hitchcockiano, mas sem perder seu toque pessoal, nada mais espanhol. “Carne” passeia pela política, mesmo não sendo o mote da premissa, e me faz crer ser este o filme mais pessoal de Almodóvar (Todo Sobre Mi Madre também), pelo menos no que se diz respeito do início de sua fase “adulta”, mesmo em filmes anteriores como A FLOR DO MEU SEGREDO (1995) com Marisa Paredes e DE SALTO ALTO (1991) com Victoria Abril, já apresentarem elementos mais sérios, pontes para o típico drama. Até mesmo ATAME! (1990) é um filme romântico em meio aqueles fetiches Almodoviano. No entanto, “Carne” é mais consagrado e conhecido por ser um trabalho muito mais primoroso do diretor espanhol. Isso também se mostra pela excelente fotografia do brasileiro AFFONSO BEATO, de outras obras do cineasta como (TUDO SOBRE MINHA MÃE, 1999), com sua fotografia mais puxada para o tom do vermelho-sangue, além de fotografar a Espanha de modo mais realista como era a intenção de Almodóvar. Beato repete o mesmo feito realístico em Tudo Sobre Minha Mãe, fotografa as cidades da Espanha, sobretudo as bocas do lixo das prostituições e corrupções marginais, de um jeito bem cru, como também o faz aqui.

A cena primordial na qual Elena e Víctor fazem amor pela “última vez” se revela uma transa tão excitante: o suor, os gemidos e o close nas zonas erógenas da cútis do casal (planos magistrais). Só com esta cena (Està Amaneciendo), Almodóvar demonstra todo o seu brilhantismo na concepção de uma cena de sexo. Aliás, pela segunda vez, ele faz um filme onde há cena de amor, paixão, excitação e o mais puro romance. A primeira foi aquela com Banderas e Abril em Atame! E agora aqui. Só acho que no primeiro exemplo, o tipo de cena ainda era dirigida por um amador (até no bom sentido) a de “Carne” é dirigida por um profissional. 
Fazer amor até amanhecer o dia...
Realmente há pouco humor ou ar “soft-porn” nesta fita de Almodóvar. Um ou outro leve momento de comédia (Víctor e David discutindo e assistindo ao jogo de futebol) e na cena inicial do parto, na qual temos aqueles momentos típicos de Almodóvar com toda a sua graça, personificada no papel da dona do bordel que atende Cruz na hora do parto, a ótima PILAR BARDEM, mãe de Javier Bardem.

Inicialmente o ator Jorge Sanz (La Niña De Tus Ojos, 1998 – Amantes,1991) faria o papel principal (Víctor), mas depois de uma semana fotografando o ator, Almodóvar resolve substituí-lo pelo italiano Rabal. Na época a mídia exclamava que Liberto Rabal era o novo Antonio Banderas e o futuro ator-fetiche do diretor. Ironicamente sua carreia não decolou muito, por outro lado, o filme ajudou outras pessoas, Bardem que se tornaria astro internacional, assim como sua então esposa e nova Chica Almodóvar, Penélope Cruz. Bardem havia participado em “De Salto Alto.” Portanto este foi seu segundo trabalho com Almodóvar.

Ganhou o Goya de melhor ator-coadjuvante (José Sancho) e foi indicado ao BAFTA na categoria Melhor Filme Estrangeiro, essas são algumas das premiações e nomeações da fita. Poderia ter estado no Oscar, ao menos ganhou o 2º lugar, em 1998, o prêmio dado pelo popular no quesito Melhor filme no Festival de Cinema Internacional de São Paulo.

O filme é mesmo brilhante. Sem mais. É um calor suado do início ao fim e de clima adequado em uma sessão-Almodóvar. Já considero um clássico moderno. Este filme tem a capacidade de nos envolver, seduzir cada vez mais, pelo prisma de uma Espanha carente e sufocada. Almodóvar expressa toda a sua genialidade nesta obra de arte cinematográfica. 

Os anseios, os amores, as traições e o prazer da carne.


ESPANHA -1997
DRAMA/ROMANCE/POLICIAL/SUSPENSE
LETTERBOX
103 min.
COR
18 ANOS
METRO 
✩✩✩✩✩ EXCELENTE




 EL DESEO S.A. apresenta 
uma produção EL DESEO S.A./CIBY 2000 FRANCE 3 CINEMA CORPORATION

u m     f i l m e     d e 
 A  L  M  O  D  Ó  V  A  R 
CARNE TRÉMULA 
JAVIER BARDEM  FRANCESCA NERI  LIBERTO RABAL
ANGELA MOLINA  JOSÉ SANCHO
participações especiais: PENÉLOPE CRUZ  PILAR BARDEM
ALEX ÂNGULO  MARIOLA FUENTES  DANIEL LANCHAS
Música ALBERTO IGLESIAS Diretor de Fotografia AFFONSO BEATO
Diretor de Arte ANTXÓN GÓMES Figurinos por JOSÉ Mª DE COSSIO
Montagem JOSE SALCEDO Produtor Executivo AGUSTÍN ALMODÓVAR
Diretora de Produção ESTHER GARCÍA
Escrito por PEDRO ALMODÓVAR
Com a colaboração especial de
JORGE GUERRICAECHEVARRÍA e RAY LORIGA 
Baseado no romance de RUTH RENDELL
D i r e ç ã o 
P E D R O   A L M O D Ó V A R 
Carne Trémula ©1997 El Deseo S.A.

9 comentários:

Cristiano Contreiras disse...

Belo texto quente, Rodrigo! Rs!

Suas pontuações, ao mesmo tempo são emocionais, mas você sabe pontuar com sua escrita mais racional, atentando ao estilo do Almodóvar e todos os sensos mais importantes dessa obra excitante. Concordei com tudo, de fato o filme é bem intenso...muito interessante, pois o tom humano aqui está mais forte que nunca, ainda mais por conta da sexualidade à flor da pele de seus personagens. Bardem está belissimo no filme, bom ator, mas é Rabal que comanda, rs! Um charme...

E a cena citada de sexo é uma das melhores da História do Cinema!

Um abraço!
Parabéns pelo post!

renatocinema disse...

Amo esse filme. Talvez, o que mais goste do diretor.

Só fico na dúvida pela cena final de O Matador que acho poética e linda.

Grande texto, para um grande filme.

abraços

alan raspante disse...

Está na lista. Estou redescobrindo Almodóvar. Assisti "Tudo sobre minha mãe" esses dias...

Amanda Aouad disse...

Estou com ele aqui para rever, é ótimo mesmo, mas lembro de poucos detalhes para comentar mais. E seu texto também está muito bom.

bjs

Karla Hack dos Santos disse...

Esta ruptura até com "q" mais emocional dá a CArne TRêmula uma força peculiar.. distinta na filmografia dele... Nossa, adorei seus comentários sobre o filme achei tudo tão bem pontuado... Adorei (já falei isto?!)

;D

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Muito bom o texto, Rodrigo. Considero CARNE TRÊMULA o melhor filme de Almodóvar.

O Falcão Maltês

Celo Silva disse...

gosto muito desse filme tb, mas acho q não é o q mais gosto, mas com certeza é bem marcante, rompeu com as comedias, senão me engano

Rodrigo Mendes disse...

Obrigado por ter gostado do post Cris! Sem dúvidas Carne Trêmula é um filme que excita, estremeça a carne e apresenta as melhores relações humanas que um filme poderia conceber, ainda mais ele sendo de Almodóvar.
Abs!

Renato: A cena final de Matador é outro ponto alto da obra do cineasta, bem lembrado. Ambos os filmes são perfeitos.
Abs.

Alan: Comece a ver a obra do espanhol garoto. Ótima fase da vida para vc descobrir. Abs!

Amanda: Obrigado Nanda. É sempre bom rever este filme. Beijos.

Karla: Que bom! Valeu mesmo moça. Procurei dar um tom confessional a crítica. Um filme marcante e tb acho que foi uma ruptura mais evidente. Bjs!

Antonio: Obrigado dude! É tbm um dos meus favoritos do diretor.

Celo: Esse rompimento com as comédias foi necessário, mas ele nunca deixa o tom humor de lado, mas aqui ele evita mais. Qual é o seu favorito?
Abs.

Carla Marinho disse...

Rodrigo, link indicado nos melhores da semana. http://blogsdecinemaclassico.blogspot.com/2011/11/links-da-semana-de-14-2011.html

abraço

🚪 Acervo de Películas

00's 007 10's 20's 30's 3D 40's 50's 60's 70's 80's 90's Ação Adoro Cinema Akira Kurosawa Al Pacino Alec Guinness Alfonso Cuarón ALIEN Almodóvar ANG LEE Angelina Jolie Animação ARNOLD SCHWARZENEGGER Arthur P. Jacobs Audrey Hepburn Aventura Batman Bela Lugosi Bernardo Bertolucci Bette Davis Billy Wilder Blake Edwards Blaxploitation Bob Fosse Boris Karloff Brian De Palma Bryan Singer Buster Keaton Carl Laemmle Carol Reed Carrie Fisher Cary Grant Cecil B. DeMile Chaplin Charlton Heston Christopher Nolan CINE TRASH Cine-Doc CINEASTAS Cinebiografia Cinema Asiático Cinema Europeu Cinema LGBT Cinema Marginal Cinema MUDO CINEMA PRETO & BRANCO Cinema Rodrigo Clark Gable Clássicos Claude Rains Clint Eastwood Colin Trevorrow Comédia Coppola Crepúsculo CULTS Curt Siodmak Curta-metragem Curtis Hanson Daniel Craig DANNY BOYLE Danny DeVito Dario Argento Darren Aronofsky David Bowie David Cronenberg David Fincher David Lean DAVID LYNCH David O. Selznick DC Comics Denzel Washington Disney Documentário Drama Drogas Eduardo Coutinho Eisenstein Elia Kazan Elvis Presley Épico Época Erotismo Errol Flynn ESPECIAIS Fantasia Fatos Reais Fellini FERNANDO MEIRELLES FILMES IRREGULARES Filmes Natalinos FOX FRANÇOIS TRUFFAUT FRANK CAPRA Frank Darabont Frank Oz Fritz Lang Gangsters Gene Wilder George A. Romero George Cukor George Lucas George Miller George Stevens George Waggner Georges Méliès. Gérard Depardieu Giallo Gillo Pontercorvo Grace Kelly Greta Garbo Guerra GUEST SERIES Guillermo del Toro Gus Van Sant Halloween Harold Lloyd Harrison Ford HARRY POTTER Henri-Georges Clouzot Henry Selick Hitchcock Home Video Homem-Aranha Howard Hawks HQ Humphrey Bogart INDIANA JONES Infantil Ingmar Bergman Ingrid Bergman Irmãos COEN Isabelle Huppert Ivan Reitman J.J. Abrams Jack Arnold Jack Nicholson Jacques Tourneur James Cameron James Ivory James Stewart JAMES WHALE Janet Leigh Japão Jason JEAN-LUC GODARD Jim Henson Joan Crawford Joel Schumacher John Carpenter John Ford JOHN HUGHES John Huston John Landis John Waters Jonathan Demme Joon Ho Bong José Mojica Marins Joseph L. Mankiwicz Judy Garland Kate Winslet Katharine Hepburn Kevin Spacey KING KONG Kirk Douglas KRZYSZTOF KIESLOWSKI Lars Von Trier Lawrence Kasdan Leonardo DiCpario Liza Minnelli Lon Chaney Jr Luc Besson Luca Guadagnino Luis Buñuel M.Night Shyamalan Marilyn Monroe Mário Peixoto Mark Hamill Marlene Dietrich Marlon Brando Martin Scorsese MARVEL Matinê Mel Brooks Melhores do Ano Michael Curtiz Michael Douglas Michael Haneke Michael Jackson Michael Powell Michel Gondry Michelangelo Antonioni Milos Forman MONSTERS COLLECTION Monstros Musicais Nacional Noir NOUVELLE VAGUE O Senhor Dos Anéis Oliver Stone Olivia de Havilland Orson Welles Oscar Outubro Das Bruxas P.T. ANDERSON Pam Grier Pânico Paramount Park Chan-wook Paul Verhoeven PERFIL Peter Bogdanovich PETER JACKSON Philip K. Dick Pier Paolo Pasolini Pierce Brosnan Piores do Ano Pipoca PIXAR Planeta Dos Macacos Policial Quentin Tarantino Rian Johnson Richard Donner RIDLEY SCOTT RKO Road-Movie Robert De Niro Robert Rodriguez Robert Wise Robert Zemeckis Roger Moore Rogério Sganzerla Roman Polanski Romance Sam Mendes Sam Peckinpah SAM RAIMI Sangue Scarlett Johansson Sci-Fic Sean Connery Sean Penn Sergio Leone Sessão Da Tarde Sessão Dinossauro Sessão DUPLEX Cinema MUDO Sessão Surpresa SESSÃO TRAILER Sexo SEXTA-FEIRA 13 Sharon Stone Sidney Lumet Sigourney Weaver Sofia Coppola Spielberg Stan Lee Stanley Donen Stanley Kubrick Star Trek Star Wars Stephen King SUPER HERÓIS Suspense Terror Thriller Tim Burton Timothy Dalton TOD BROWNING Tom Cruise Tom Hanks Tom Tykwer Trash TV Uma Thurman UNIVERSAL STUDIOS Universo Jurassic Park Victor Fleming Violência Vivien Leigh Wachowski Walter Hugo Khouri Walter Salles Warner Wes Craven Western William Castle William Friedkin Wolfgang Petersen Wong Kar Wai Woody Allen Zé do Caixão