domingo, 24 de junho de 2012

DAVID FINCHER | O CURIOSO CASO DE BENJAMIN BUTTON

CONTRA O TEMPO

A premissa começa em 1918, em Nova Orleans, onde nasceu o estranho Benjamin Button, que começa velho e vai rejuvenescendo até morrer “criança”. Ele acaba sendo rejeitado pelo pai e é criado em um asilo de velhos por uma mulher negra. Baseado na estória de F. SCOTT FITZGERALD (1896-1940).


Sem dúvida que o diretor David Fincher amadureceu  e fica cada vez melhor a cada filme. Não imaginava que alguém que estreou no cinema com uma fita irregular, ALIEN ³, mesmo se tratando de uma franquia de sucesso, se comprometeria em realizar filmes tão marcantes ao longo das décadas. O CURIOSO CASO DE BENJAMIN BUTTON (The Curious Case Of Benjamin Button, 2008) é uma obra-prima. Por que não? E muita gente o colocou como o favorito para o Oscar de 2009. Tudo bem que a fita é longa e às vezes cansa, ainda mais com uma narrativa clássico-linear, um atributo da produção que realiza um filme nestas proporções para as plateias saborearem os cenários, a direção de arte, a fotografia, e principalmente os efeitos especiais que são realmente impressionantes. 

Dramaticamente, confesso que o filme oscila. É lírico, envolvente (entorpece), mas também em algumas horas sabe ser pouco impactante e empolgante.

Há muito tempo existiu em Hollywood a vontade de adaptar este conto clássico de Fitzgerald, publicado em 1920. Foi projetado por Steven Spielberg como veículo para o amigo Tom Cruise e até mesmo Ron Howard queria fazer o filme com John Travolta! Soube também que Spike Jonze tinha muito interesse em dirigir esta fábula, mas acabou mesmo nas mãos de Fincher, e o cara tem acertando em filmes ótimos: SE7VEN- Os Sete Crimes Capitais e o polêmico CLUBE DA LUTA e, que desde então, sobrevive com prestígio: ZODÍACO, A REDE SOCIAL e recentemente com OS HOMENS QUE NÃO AMAVAM AS MULHERES. Aqui ele retorna lindamente com o seu ator-fetiche BRAD PITT.

Acredito que realizar esta empreitada não foi nada fácil. Deve ter sido um projeto caro e difícil, já que tantos detalhes são feitos com algum tipo de efeito. Embora o conto original fosse uma sátira com requintes de humor, o filme não embarca neste vestígio (somente nas cenas do homem que é atingido por um raio). Na verdade é tudo feito com seriedade e certa frieza (Fincher é um diretor frio). Também é por demais pretensioso, marcial, levando-se a sério mesmo! Originalmente ele já nascia grande, aqui ele nasce normal, mas evidentemente com cara de ancião e todo o tipo de doença da terceira idade. O menino sofre. Chegam a dar uma explicação para o que sucede, ou seja, um menino que nasce velho e vai ficando cada vez mais jovem, até morrer. Em outras palavras, seu tempo esta inverso e ele vive literalmente contra o tempo. Sua mente é de menino em corpo envelhecido. Depois sua mente é de um senhor em corpo juvenil. Porém, sua alma permanece igual.


Segundo o filme, relojoeiro inventa um relógio na cidade de Nova Orleans, que andava para trás, talvez para assim trazer de volta o filho que morreu na Primeira Guerra (mas o filme sugere o tempo inteiro simbolismos). Como é fantasia não há necessidade de tantas explicações, aliás, acho que deveria era explicar melhor o relacionamento do ser humano com a própria velhice, com o inevitável envelhecimento, mas nesta parte o roteiro é discutível, escrito por ERIC ROTH o mesmo de FORREST CUMP com Tom Hanks (que lhe deu um Oscar). Por mais que Roth seja o roteirista ideal para este estilo de narrativa de A-Z, ele não soube desenvolver muito bem as frustrações de Button com sua situação e até mesmo o romance.


Apesar de o filme ser indiscutivelmente belo, há trechos insuficientes no texto de Roth, ele é bastante verborrágico quando quer e acho que pouco convincente, por exemplo, o herói, embora criado num asilo de velhos onde foi deixado pelo pai que o rejeitou após a mãe morrer, e criado por uma negra, em momento nenhum revela qualquer consciência social ou preocupação pelos outros e mesmo sendo Nova Orleans e tenha aprendido a tocar piano revela qualquer simpatia pelo Jazz local que nascia na sua juventude já envelhecida. Isto é, ele passa pela vida em branco, sem fazer nada que valha a pena. É preciso ver o filme uma segunda vez para sacar que esta foi a proposta, mostrar que quase todos nós passamos pela vida assim, em branco. Por outro lado, Fincher força um pouco a barra fazendo com que a história se desenvolva quando o único e grande amor da vida de Benjamin, a bailarina interpretada por CATE BLANCHETT esteja no leito de morte, num hospital justamente quando chega o furacão Katrina!


O bonito do filme é o cuidado com a reconstrução do passado, os pequenos detalhes assombrosos da cenografia e da esplêndida direção de arte, a qualidade da maquiagem, perfeita nos atores. Bom, com relação à parte técnica, tudo é primoroso e isso nem se discute. O charme do filme é que a cara de Brad aparece sobreposta em cima de corpos alheios, isto é, o truque funciona por vezes, mas não explica porque não é usado sempre.


É verdade que tudo tem certa melancolia, um clima/tom romântico (o que deve agradar a maioria das espectadoras) de amores impossíveis (velho artifício cinematográfico), que também toca o espectador. Muitos podem se envolver com o clima da história (em minha opinião, reforço e, sobretudo nas revisões, o script tem algumas irregularidades) e parece que o mais favorecido é mesmo Brad Pitt, mas ele está realmente ótimo? Sim, como sempre habitual e correto. Provavelmente “o tempo todo” que levava na maquiagem que dizem serem 5 horas por dia, tenha lhe roubado energia e esteja menos presente do que o desejado. No entanto, sinto uma presença espiritual do ator durante a projeção. Até mesmo Blanchett, que toma “um banho digital” para ficar mais nova, não chega a impressionar especialmente. Digo o efeito e não Cate!


Ganhou os merecidos Oscars de Direção de Arte, Maquiagem e Efeitos Visuais. Foi indicado como Melhor Fotografia (CLAUDIO MIRANDA), figurinos, direção, edição, Trilha Musical para ALEXANDRE DESPLAT, Som, Filme, Ator (Pitt), Atriz Coadjuvante (a ótima TARAJI P.HENSON) e Roteiro.


Mesmo com as irregularidades apontadas é curioso como continuo a apreciar esta fita. Uma rara avaliação excelente. E o tempo não irá apagar esta obra.



EUA- 2008
ROMANCE
WIDESCREEN
165 min.
COR
WARNER
12 ANOS
✩✩✩✩✩ EXCELENTE





WARNER BROS. PICTURES e PARAMOUNT PICTIRES Apresentam
Uma Produção THE KENNEDY/MARSHALL COMPANY
UM FILME DE DAVID FINCHER
The Curious Case Of
BENJAMIN BUTTON
Estrelando BRAD PITT e CATE BLANCHETT
Com: TARAJI P. HENSON   JULIA ORMOND
JASON FLEMYNG   TILDA SWINTON   ELIAS KOTEAS
DAVID JENSEN    JOEANNA SAYLER    FIONA HALE
PAULA GRAY   ELLE FANNING    PHYLLIS SOMERVILLE
E  JARED HARRIS
Fotografado por CLAUDIO MIRANDA
Música ALEXANDRE DESPLAT
Edição KIRK BAXTER. ANGUS WALL
Elenco por LARAY MAYFIELD
Cenografia DONALD GRAHAM BURT
Figurinos JACQUELINE WEST
Som REN KLYCE
Produzido por CEÁN CHAFFIN
KATHLEEN KENNEDY e FRANK MARSHALL
Argumento ERIC ROTH. ROBIN SWICORD
Escrito por ERIC ROTH
DIREÇÃO
DAVID FINCHER
The Curious Case Of Benjamin Button ©2008
Warner Bros.Pictures/A Paramount Picture/ The Kennedy/Marshall Company

13 comentários:

Tullio Dias disse...

Quero rever esse filme, mas a verdade é que fiquei muito desiludido quando fui assistir. A história havia me despertado uma grande curiosidade, mas o reencontro de Pitt e Fincher era o que tinha me deixado mais animado.

Acho que cheguei a escrever sobre o filme, mas não lembro o que falei exatamente, exceto que nas mãos de qualquer diretor (céus, se fosse o Spike Jonze teria sido um filme muuuuuuito mais interssante) que soubesse fazer drama, BB teria vencido vários prêmios e viraria uma das minhas produções favoritas. Mas o Fincher não teve a moral de fazer drama ou emocionar, a frieza que você mencionou deve ter interferido nesse resultado. E o que faltou foi justamente um pouco de sentimento. Não senti isso hora nenhuma.

renatocinema disse...

Eu adoro o estilo de Ficher. Esse é um outro ótimo trabalho desse pequeno gênio da nova geração.

Adoro a insanidade da história.

! Marcelo Cândido ! disse...

A primeira vez que fui ao cinema sozinho e um dos melhores filmes que já vi na vida
!

Alan Raspante disse...

Na primeira vez, eu não tinha ido muito com a cara do filme (mesmo com o plot interessante e etc...). Não sei, mas alguma coisa ali não me conquistou. Bem, na segunda revisão é que eu fui pego mesmo. Hoje é só amor pelo filme, rs

Amanda Aouad disse...

É isso, alguns criticaram bastante o filme, mas eu me encantei com ele, com a estrutura, com a técnica, com as interpretações e com a história. Apesar de questionar alguns detalhes. E interessante essa questão que vc aborda sobre passar pela vida "em branco".

bjs

Celo Silva disse...

Em minha opinião, um dos meus Fincher favoritos. Acho emocionante e bela a trajetoria de Button. Deu até vontade de rever. Abração.

Reinaldo Glioche disse...

Eu, particularmente, gosto muito desse filme. Me provocou profunda reflexão e me comoveu bastante. Não detecto essa oscilação dramática a qual vc faz referência. E acho que o conto de Fitzgerald se beneficiou muito do choque imaginativo e narrativo que David Fincher prospectou. Fico imaginado o filme que Spike Jonze conceberia. Poderia ser muito bom.
Agora quais as chances de um protagonizado por John Travolta e dirigido por Ron Howard? Muito poucas!
Abs

J. BRUNO disse...

Eu acho este filme belíssimo, em todos os sentidos, pelo lirismo da história, pela direção de arte, maquiagem, fotografia... Muitos apontaram a semelhança entre o roteiro dele e o de "Forrest Gump", também escrito pelo Eric Roth, como um defeito, eu no entanto não vejo desta forma, acho que a trama foi muito bem trabalhada e funciona perfeitamente, a história em si já garante a originalidade do filme...

Eu também postei ontem sobre uma outra obra de Fincher, confira lá depois Rodrigo: http://sublimeirrealidade.blogspot.com.br/2012/06/o-quarto-do-panico.html

Rodrigo Mendes disse...

Tullio: fico imaginando a versão do Jonze, mas acredito que o material não seria apropriado para a visão dele, pensando melhor. Fincher fez um trabalho mais clássico e linear e sim, ele é um diretor cold.
Abs.

Renato: Muito bem Renato! Fincher é um dos grandes realizadores de sua geração, com certeza! Abs.

Marcelo: Eu vi este filme acompanhado...mas vou muito ao cinema sozinho, também!

Alan: Esses amores heim?! rs

Amanda: Eu também gostei e achei um trabalho técnico esplendoroso mesmo! O filme merecia mais premiações e mesmo com os pontos irregulares que aventei.
Bjs!

Celo: A premissa é realmente atraente, interessante, tocante e bonita (tecnicamente também).

Reinaldo: Ainda bem que o projeto não foi parar nas mãos de Ron Howard em fase Dan Brown já pensou? Ainda mais com Travolta e se ele fizesse o filme com Tom Hanks? Acho que Spielberg poderia fazer um clássico, mas gosto da versão de Fincher e discordamos da oscilação.
Abs e apareça!


Obrigado pela presença Bruno!
Confiro seu post sim! Acho que até já o li!
Um filme realmente lírico e belo.
Abs.

Rodrigo

Britto disse...

Acho que você definiu muito bem a mensagem do filme: "mostrar que quase todos nós passamos pela vida assim, em branco". Porque é isso o que o filme retrata. Apesar de tecnicamente belo, é uma história sobre a rotina de um homem, que não teria absolutamente nenhuma graça se não fosse um velho que se torna jovem...

Júlio Pereira disse...

Quando o vi pela primeira vez, no cinema, fiquei absolutamente impressionado - nem sabia de cinema direito, na época, embora já fosse apaixonado. Aliás, tornou-se um dos meus cinco filmes favoritos. Hoje olho e não vejo tanta graça no filme, acho uma orba irregular, como você disse, muito frio - adoro a frieza do Fincher, mas não cai bem em uma história que pedia mais melodrama -, mas com uma técnica realmente incrível, atores ótimos e tal. Tinha tudo pra dar certo, mas não é nada memorável.

Karla Hack dos Santos disse...

Bela resenha!
Eu não tenho como deixar de dizer que é um trabalho excepcional, inusitado, bem estruturado, com apelo sensível... Mas, acredite se quiser, não consegui amar. Sei lá, gostei, mas, não tenho vontade de rever.
Pouco do contra eu!
Acho que não consegui me envolver com os personagens...

;P

Alysson Mello disse...

O filme é muito bom, um ótimo trabalho de David Fincher esse um dos melhores trabalhos dele Brad Pitt brilha no papel e apesar da história ter um teor frio e sombrio mas o fato do romantismo e do lado emocional do filme faz desse fime uma das mais belas obras de arte.

🚪 Acervo de Películas

00's 007 10's 20's 30's 3D 40's 50's 60's 70's 80's 90's Ação Adoro Cinema Akira Kurosawa Al Pacino Alec Guinness Alfonso Cuarón ALIEN Almodóvar ANG LEE Angelina Jolie Animação ARNOLD SCHWARZENEGGER Arthur P. Jacobs Audrey Hepburn Aventura Batman Bela Lugosi Bernardo Bertolucci Bette Davis Billy Wilder Blake Edwards Blaxploitation Bob Fosse Boris Karloff Brian De Palma Bryan Singer Buster Keaton Carl Laemmle Carol Reed Carrie Fisher Cary Grant Cecil B. DeMile Chaplin Charlton Heston Christopher Nolan CINE TRASH Cine-Doc CINEASTAS Cinebiografia Cinema Asiático Cinema Europeu Cinema LGBT Cinema Marginal Cinema MUDO CINEMA PRETO & BRANCO Cinema Rodrigo Clark Gable Clássicos Claude Rains Clint Eastwood Colin Trevorrow Comédia Coppola Crepúsculo CULTS Curt Siodmak Curta-metragem Curtis Hanson Daniel Craig DANNY BOYLE Danny DeVito Dario Argento Darren Aronofsky David Bowie David Cronenberg David Fincher David Lean DAVID LYNCH David O. Selznick DC Comics Denzel Washington Disney Documentário Drama Drogas Eduardo Coutinho Eisenstein Elia Kazan Elvis Presley Épico Época Erotismo Errol Flynn ESPECIAIS Fantasia Fatos Reais Fellini FERNANDO MEIRELLES FILMES IRREGULARES Filmes Natalinos FOX FRANÇOIS TRUFFAUT FRANK CAPRA Frank Darabont Frank Oz Fritz Lang Gangsters Gene Wilder George A. Romero George Cukor George Lucas George Miller George Stevens George Waggner Georges Méliès. Gérard Depardieu Giallo Gillo Pontercorvo Grace Kelly Greta Garbo Guerra GUEST SERIES Guillermo del Toro Gus Van Sant Halloween Harold Lloyd Harrison Ford HARRY POTTER Henri-Georges Clouzot Henry Selick Hitchcock Home Video Homem-Aranha Howard Hawks HQ Humphrey Bogart INDIANA JONES Infantil Ingmar Bergman Ingrid Bergman Irmãos COEN Isabelle Huppert Ivan Reitman J.J. Abrams Jack Arnold Jack Nicholson Jacques Tourneur James Cameron James Ivory James Stewart JAMES WHALE Janet Leigh Japão Jason JEAN-LUC GODARD Jim Henson Joan Crawford Joel Schumacher John Carpenter John Ford JOHN HUGHES John Huston John Landis John Waters Jonathan Demme Joon Ho Bong José Mojica Marins Joseph L. Mankiwicz Judy Garland Kate Winslet Katharine Hepburn Kevin Spacey KING KONG Kirk Douglas KRZYSZTOF KIESLOWSKI Lars Von Trier Lawrence Kasdan Leonardo DiCpario Liza Minnelli Lon Chaney Jr Luc Besson Luca Guadagnino Luis Buñuel M.Night Shyamalan Marilyn Monroe Mário Peixoto Mark Hamill Marlene Dietrich Marlon Brando Martin Scorsese MARVEL Matinê Mel Brooks Melhores do Ano Michael Curtiz Michael Douglas Michael Haneke Michael Jackson Michael Powell Michel Gondry Michelangelo Antonioni Milos Forman MONSTERS COLLECTION Monstros Musicais Nacional Noir NOUVELLE VAGUE O Senhor Dos Anéis Oliver Stone Olivia de Havilland Orson Welles Oscar Outubro Das Bruxas P.T. ANDERSON Pam Grier Pânico Paramount Park Chan-wook Paul Verhoeven PERFIL Peter Bogdanovich PETER JACKSON Philip K. Dick Pier Paolo Pasolini Pierce Brosnan Piores do Ano Pipoca PIXAR Planeta Dos Macacos Policial Quentin Tarantino Rian Johnson Richard Donner RIDLEY SCOTT RKO Road-Movie Robert De Niro Robert Rodriguez Robert Wise Robert Zemeckis Roger Moore Rogério Sganzerla Roman Polanski Romance Sam Mendes Sam Peckinpah SAM RAIMI Sangue Scarlett Johansson Sci-Fic Sean Connery Sean Penn Sergio Leone Sessão Da Tarde Sessão Dinossauro Sessão DUPLEX Cinema MUDO Sessão Surpresa SESSÃO TRAILER Sexo SEXTA-FEIRA 13 Sharon Stone Sidney Lumet Sigourney Weaver Sofia Coppola Spielberg Stan Lee Stanley Donen Stanley Kubrick Star Trek Star Wars Stephen King SUPER HERÓIS Suspense Terror Thriller Tim Burton Timothy Dalton TOD BROWNING Tom Cruise Tom Hanks Tom Tykwer Trash TV Uma Thurman UNIVERSAL STUDIOS Universo Jurassic Park Victor Fleming Violência Vivien Leigh Wachowski Walter Hugo Khouri Walter Salles Warner Wes Craven Western William Castle William Friedkin Wolfgang Petersen Wong Kar Wai Woody Allen Zé do Caixão