segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

DE DOUGLAS HICKOX | As Sete Máscaras da Morte (Theatre [ou Theater] of Blood, 1973)

FALEM BEM OU FALEM MAL, MAS NÃO FALEM DE VINCENT PRICE!


Um frustrado ator Shakespeariano usa métodos apropriados de assassinatos - extraídos das peças do mestre - para vingar-se dos críticos que ridicularizam sua performance. 

Começar o ano de 2017 com mais uma amostra do poder e magia do Cinema Cult era tudo que eu queria!. Eis um outro aclamado filme estrelado por Vincent Price (1911-1993). E, com um pouco de senso de humor, não seria possível deixar de incluir um filme com uma história dessas propondo um acalorado e cinéfilo  início de ano no Cinema Rodrigo. É minha forma de homenagear tanto o artista quanto o critico. 


Price era realmente uma figura. Um ator único. Depois de ter sido coadjuvante famoso nos estúdios da Twentieth Century Fox em filmes como "Laura" e "A Canção de Bernadette", ele finalmente encontrou sua vocação nos filmes de terror que lhe deram fama e notoriedade até o fim da vida. 


DIANA RIGG, que faz sua filha, foi a esposa de James Bond em 007 A Serviço Secreto de Sua Majestade (1969) e tornou-se grande personalidade do teatro inglês, onde ganhou o título de Dame. Atualmente é uma senhora irreconhecível e que é mais conhecida mesmo pelo papel de Olenna Tyrell na aclamada série "Game of Thrones". 




A pouco tempo publiquei um texto sobre "O Abominável Dr. Phibes". Leia aqui. E Theatre of Blood é um descendente direto. Só funciona mesmo graças a existência de Vincent Price, que é capaz de dar um tom exato de sátira e paródia, que não deixa um filme, basicamente de terror, cair no excesso. Isto é, no fundo é uma comédia-sátira bem à moda inglesa. Infelizmente, o diretor Douglas Hickox (de O Sanguinário, Alvorada Sangrenta, O Monstro Submarino, Fortaleza do Inferno, citando alguns) não soube dar ao filme a mesma mistura de sátira, humor negro e citações camp de "Dr. Phibes". Ao menos para mim, sua direção é um tanto pesada e impessoal, de alguém que cumpre um serviço sem envolver-se. Quando faleceu em 1988 acabou terminando a carreira dirigindo para a TV sem grande ousadia. 

Contudo, a história e o roteiro originais são tão bons que o filme sobrevive lindamente. Price é um ator canastrão chamado Edward Lionheart (Coração de Leão), especializado em textos de William Shakespeare, que, ao deixar de ganhar o prêmio dos críticos, resolve eliminá-los um a um. A ideia é genial. Sem mais. E soltarei aqui uma pergunta: qual ator não desejou matar um tipo que o criticou acidamente ( a seu ver injustamente)? No filme, Lionheart realiza seu desejo. Sadicamente egoísta. Como em Dr. Phibes,  em princípio o espectador pensa que ele morreu, atirando-se pela janela, no Tâmisa, mas, após meia hora, está quase tudo esclarecido. Por milagre, Lionheart sobreviveu e foi acolhido por um grupo de vagabundos. Assim realiza sua vingança. E as coisas não podem ser simples. Cada uma das vítimas, no caso os críticos, serão eliminados de acordo com um plano. 

Em Dr. Phibes eram as sete pragas do Egito. Aqui segue-se a ordem do repertório dramático do ator. As peças de Shakespeare são sempre muito sangrentas e Lionheart e sua trupe vão representá-las ao vivo com assassinatos reais. 

O roteiro é tão inteligente que faz uso perfeito das frases de Shakespeare aplicadas ao momento. A efemeridade do teatro. Lionheart começa interpretando Júlio César, Troilus e Cressilda e também Cymbeline. Assim o primeiro crítico é morto como Júlio César, esfaqueado no dia 15 de março (cuidado com os idos de março!) e todas as mortes sucessivas se encaixam perfeitamente à situação. 


É muito curiosa a reflexão que a fita provoca. No final, fica-se discutindo qual foi a morte mais sangrenta e engenhosa, mais bem preparada, sem ao menos se pensar na amoralidade da discussão. Mas é dentro da tradição do grand-guignol que o roteiro acaba com todos os críticos londrinos. E nesse ponto ele não poderia ser mais impiedoso. Todas os críticos são pedantes, antipáticos, sacrificando qualquer valor em nome de uma boa piada. Fazer uma profissão da arte de falar mal dos outros, não deixa de ser, por si só, uma ironia! 

Fazendo os críticos, a produção colocou um elenco all-star: Ian Hendry (o mais jovem e mais coerente), Dennis Price (o esnobe), Arthur Lowe, Robert Morley ( o efeminado que anda sempre com seus dois cachorros poodles) Jack Hawkins (em seu último filme, fazendo o marido ciumento de Diana Dors, aquela que outrora foi a Marilyn Monroe inglesa), Robert Coote, Harry Andrews (a cena mais cruel: O Mercador de Veneza), Michael Horden e Coral Browne (a ácida Miss Chole e depois casada com Vincent Price na vida real). 

A irreverência do filme está em toda parte. Desde os letreiros sobrepostos em filmes primitivos, mostrando representações de peças de Shakespeare no começo do século, até a escolha do elenco. Todos os atores são conhecidos por suas representações de personagens Shakespearianos. E, principalmente, na figura central de Price, interpretando Lionheart. O personagem é reconhecidamente um canastrão e Price não é somente um canastrão perfeito, como também costumava fazer conferências lendo textos de Shakespeare. Ou seja; um papel que lhe coube como uma luva. 

Além de ser extremamente maldoso, As Sete Máscaras da Morte tem momentos muito engraçados, como o do policial vivido por Eric Sykes (de filmes como Harry Potter e o Cálice de Fogo e Os Outros) sentindo a aproximação de um trem, e pode ser curtido em vários níveis. Só espero que não seja um mal exemplo para ninguém. 



Inglaterra
Comédia – Terror – Drama
1h 44 min
★★★★

VINCENT PRICE   DIANA RIGG

THEATRE OF
BLOOD
© 1973 United Artists/Cineman/Harbour Productions Limited

Co-estrelando: Ian Hendry   Harry Andrews  Coral Browne
Robert Coote  Jack Hawkins  Michael Hordern  Arthur Lowe
Robert Morley  Dennis Price   Milo O´Shea  Eric Sykes
Madeline Smith   e Diana Dors
Fotografia WOLFGANG SUSCHITSKY
Música MICHAEL J. LEWIS
Desenho de Produção MICHAEL SEYMOUR
Roteiro ANTHONY GREVILLE-BELL
Produzido por STANLEY MANN e JOHN KOHN
Direção DOUGLAS HICKOX

2 comentários:

Amanda Aouad disse...

Confesso, nunca conferi. Vai pra lista e depois volto pra comentar, rs.

bjs

Rodrigo Mendes disse...

Amanda, é demais! rsrsrsrsrs Aguardo seu comentário.
Bjs.

Acervo de Películas

00's 007 10's 20's 30's 3D 40's 50's 60's 70's 80's 90's Ação Adoro Cinema Akira Kurosawa Al Pacino ALIEN Almodóvar ANG LEE Angelina Jolie Animação ARNOLD SCHWARZENEGGER Arthur P. Jacobs Audrey Hepburn Aventura Batman Bela Lugosi Bernardo Bertolucci Bette Davis Billy Wilder Blake Edwards Blaxploitation Bob Fosse Boris Karloff Brian De Palma Bryan Singer Buster Keaton Carl Laemmle Carol Reed Cary Grant Cecil B. DeMile Chaplin Charlton Heston Christopher Nolan CINE TRASH Cine-Doc CINEASTAS Cinebiografia Cinema Asiático Cinema Europeu Cinema LGBT Cinema Marginal Cinema MUDO CINEMA PRETO & BRANCO Cinema Rodrigo Clássicos Clint Eastwood Comédia Coppola Crepúsculo CULTS Curta-metragem Daniel Craig DANNY BOYLE Danny DeVito Dario Argento Darren Aronofsky David Cronenberg David Fincher David Lean DAVID LYNCH David O. Selznick DC Comics Denzel Washington Disney Documentário Drama Drogas Eduardo Coutinho Eisenstein Elia Kazan Elvis Presley Épico Época Erotismo ESPECIAIS Fantasia Fatos Reais Fellini FERNANDO MEIRELLES FILMES IRREGULARES FOX FRANÇOIS TRUFFAUT FRANK CAPRA Frank Darabont Fritz Lang Gangsters Gene Wilder George A. Romero George Lucas George Miller George Stevens George Waggner Georges Méliès. Grace Kelly Greta Garbo Guerra GUEST SERIES Gus Van Sant Halloween Harold Lloyd Harrison Ford HARRY POTTER Henri-Georges Clouzot Hitchcock Home Video Homem-Aranha HQ INDIANA JONES Infantil Ingmar Bergman Irmãos COEN J.J. Abrams Jack Arnold Jack Nicholson James Cameron James Stewart JAMES WHALE Japão Jason JEAN-LUC GODARD Joan Crawford Joel Schumacher John Carpenter John Ford JOHN HUGHES John Huston John Waters Jonathan Demme Joon Ho Bong José Mojica Marins Kate Winslet Kevin Spacey KING KONG KRZYSZTOF KIESLOWSKI Lars Von Trier Lawrence Kasdan Leonardo DiCpario Liza Minnelli Luc Besson Luis Buñuel M.Night Shyamalan Marlene Dietrich Marlon Brando Martin Scorsese MARVEL Matinê Mel Brooks Melhores do Ano Michel Gondry Michelangelo Antonioni Milos Forman MONSTERS COLLECTION Monstros Musicais Nacional Noir NOUVELLE VAGUE O Senhor Dos Anéis Oliver Stone Orson Welles Oscar Outubro Das Bruxas P.T. ANDERSON Pam Grier Pânico Paramount Park Chan-wook Paul Verhoeven PERFIL PETER JACKSON Philip K. Dick Pier Paolo Pasolini Pierce Brosnan Piores do Ano Pipoca PIXAR Planeta Dos Macacos Policial Quentin Tarantino RIDLEY SCOTT RKO Road-Movie Robert Rodriguez Robert Wise Robert Zemeckis Roger Moore Rogério Sganzerla Roman Polanski Romance Sam Mendes Sam Peckinpah SAM RAIMI Sangue Scarlett Johansson Sci-Fic Sean Connery Sean Penn Sergio Leone Sessão Da Tarde Sessão Dinossauro Sessão DUPLEX Cinema MUDO Sessão Surpresa SESSÃO TRAILER Sexo SEXTA-FEIRA 13 Sidney Lumet Sofia Coppola Spielberg Stan Lee Stanley Donen Stanley Kubrick Star Trek Star Wars Stephen King SUPER HERÓIS Suspense Terror Thriller Tim Burton Timothy Dalton TOD BROWNING Tom Cruise Tom Hanks Tom Tykwer Trash TV Uma Thurman UNIVERSAL STUDIOS Violência Wachowski Walter Salles Warner Wes Craven Western William Castle William Friedkin Wolfgang Petersen Wong Kar Wai Woody Allen Zé do Caixão