sexta-feira, 14 de dezembro de 2018

🎬 1900 de Bertolucci (1976)

Bernardo Bertolucci (1941–2018)

Morreu no dia 26 de Novembro um dos nomes mais ressonantes do Cinema Mundial. Envolvido em polêmicas com filmes que marcaram gerações. Bertolucci foi um dos poucos mestres da sétima arte em contar histórias que soube unificar uma paixão pelo cinema mesclado a um erotismo singular que se tornou a sua marca registrada. O post de hoje é um especial sobre a obra do cineasta, mas também é uma resenha de um dos filmes mais interessantes do mesmo lançado algumas décadas... 1900, de 1976, um drama histórico que é certamente hoje em dia entre todos os filmes dele um dos menos comentados. Trata-se de  uma história épica de uma luta de classes na Itália do século XX, vista pelos olhos de dois amigos de infância em lados opostos... mas, por enquanto, vamos conhecer um pouco mais de Bertolucci...


Bernardo Bertolucci e Luca Guadagnino
Pouco antes em seus últimos suspiros de vida vencido por uma longa batalha contra um câncer, ele foi um dos mais bem sucedidos diretores da safra de artistas italianos dos anos 70. Era filho do poeta Attilio Bertolucci (1911-2000), nasceu em 16 de março de 1941, em Parma, Emília-Romanha, Itália. Cresceu envolvido  pelo Cinema, fazendo fitas amadoras desde os doze anos. Trabalhou como assistente de Pasolini em Accattone - Desajuste Social (1961), publicou poemas. Começou com filmes engajados, mas encaminhou-se a uma espécie de desespero poético e escandaloso com o sempre comentado clássico Último Tango em Paris (Ultimo tango a Parigi - 1972) , que, na época, chegou a ser censurado em muitos países, inclusive no Brasil ditatorial. Na Itália, foi condenado e teve suas cópias queimadas! Tornou-se uma celebridade mundial com 1900, este que falarei, um ambicioso painel da história da Itália , com uma "ótica materialista histórica". Depois disso, uma inexplicável decadência e silêncio e um retorno triunfante com o consagrado O Último Imperador (The Last Emperor -1987), que lhe deu o Oscar de Melhor Diretor. Em seguida adaptou a obra de Paul Bowles em O Céu que nos Protege (The Sheltering Sky- 1990) com Debra Winger e John Malkovich, e tentou contar em O Pequeno Buda (Little Buddha- 1993), as origens do budismo, com Keanu Reeves no papel do príncipe Siddhartha. 

Bertolucci e Marlon Brando
filmagens de "O Último Tango em Paris"
Beleza Roubada ( Stealing Beauty- 1996), talvez o melhor papel de Liv Tyler, foi selecionado para o Festival de Cannes, aliás, foi este filme que marcou seu retorno às filmagens em território italiano, mostrando a transformação de uma adolescente em mulher, e que, sim, revelou a jovem Tyler. Mas seu melhor filme, em minha opinião, foi Assédio (1998), com  Thandie Newton e David Thewlis, uma produção honesta e modesta, feita originalmente para a televisão italiana sob o título "L'assedio", mas que acabou exibida em salas de Cinema no resto do mundo. Provavelmente a sua última grande obra-prima (ou pequena obra-prima, um Bertolicci menor como muitos preferem dizer) seja o sensacional (e quente) Os Sonhadores (The Dreamers- 2003), com o trio  Michael Pitt, Louis Garrel e revelando Eva Green. Mas, ainda dirigiu o ótimo Eu e Você (Io e te - 2012), do romance de Niccolò Ammaniti, sobre um adolescente introvertido que diz a seus pais que ele está indo em uma viagem de esqui, mas passa seu tempo sozinho em um porão. Um filme subestimado, diga-se e creio que depois de sua morte será revisto com outros olhos. E recriando época com essa maravilhosa máquina do tempo que é o Cinema como ele adorava citar sempre, termino aqui a minha singela bio de Bertolucci. Agradeço a ele por ter ajudado na minha formação. Ele faz parte de minha educação cinéfila sem dúvida alguma. Recomendo seus filmes, todos eles:
A Morte (1962)
Antes da Revolução (1964)
Il canale (1966) - Curta-Metragem/Documentário 
Partner (1968)
Amore e rabbia (1969) 
- Filme em Conjunto. O Seguimento dirigido por ele é "Agonia"
O Conformista (1970) 
- sua outra Obra-Prima que acabei não citando no texto! 
Preciso rever e fazer um post! 
A Estratégia da Aranha (1970)
La salute è malata (1971)
- Curta-Metragem/Documentário
O Último Tango em Paris (1972)
1900 (1976)
La Luna (1979)
A Tragédia de um Homem Ridículo (1981)
L'addio a Enrico Berlinguer (1984) 
- Documentário 
Cartoline dalla Cina (1985) 
- Curta-Metragem/Documentário para TV
O Último Imperador (1987) - 9 Oscars! 
12 registi per 12 città (1989) 
- Documentário - Seguimento: "Bologna"
O Céu que nos Protege (1990)
O Pequeno Buda (1993)
Beleza Roubada (1996)
Assédio (1998)
Ten Minutes Older: The Cello (2002) 
- Seguimento: "Histoire d'eaux"
Os Sonhadores (2003)
Eu e Você (2012)
Venice 70: Future Reloaded (2013)
- Documnetário - Seguimento: "Scarpette rosse"

***

NOVECENTO - 1900 (1976) - um ambicioso projeto do diretor. Precisei revê-lo dias atrás para ter a certeza de uma coisa; não importa quão amorosamente tenham sido filmados, esses 45 anos de conflito entre aristocratas e trabalhadores rurais e que, segundo o filme, raramente contêm alguma felicidade. Na verdade, o que Bertolucci mostra neste que é o seu épico mais bem realizado estando no mesmo patamar de O Último Imperador, é que a realidade chega para massacrar toda alegria que acidentalmente  emerge no horizonte. Para mim ainda é curioso  como a fita foi concebida para aquele espectador que, francamente, possa a ser um ignorante quanto a história social italiana e tenha a oportunidade de assistir ao filme tendo esperanças de ver se, por uma virada do destino, as coisas melhoram no final. Não é exatamente o que sucede, como os combates violentos bem no início do filme comprovam. Em outras palavras, e como no cinema deve ser, o que torna 1900 ainda mais eloquente enquanto arte é o seu elenco internacional, um caso raríssimo que funciona lindamente aqui. Há um misto de grandes atores (italianos, franceses e americanos) que faz desta experiência politicamente enfática um filme sensacional. 

Pra início de conversa é estrelado (e também protagonizado) pelo grande ROBERT DE NIRO que na época vinha de uma ascensão artística com Martin Scorsese e tendo feito outros filmes importantes com Brian de Palma e estrelado como coadjuvante numa trama paralela na obra-prima O Poderoso Chefão Parte II, de Coppola. E também pelo ator francês Gérard Depardieu que assim como o parceiro de cena americano, é também um dos nomes artísticos que representa o seu país. Provavelmente menos famoso que De Niro, mas que já havia participado até aquele momento de fitas instigantes como Adorável Gozador (Le viager- 1972), de  Pierre Tchernia, uma daquelas comédias tipicamente francesas e futuramente indicado ao Oscar de Melhor Ator, o único de sua carreira, numa adaptação de Cyrano de Bergerac (1990), também nomeado a Melhor Filme Estrangeiro. É lembrado também pelas produções O Homem da Máscara de Ferro (1998), de Randall Wallace, a comédia de papai e filhinha da sessão da tarde Meu Pai Herói (1994), com Katherine Heigl e a super-produção mal sucedida de Ridley Scott:1492: A Conquista do Paraíso (1992), no papel de Cristóvão Colombo. E agradeço Bertolucci pela escolha de ambos nos papéis centrais, afinal, como o próprio diretor afirmava ter gostado do fato de que este seu filme foi listado entre os grandes filmes políticos contendo uma mensagem fortemente gritante fazendo com que o público busque o prazer em outro lugar, mas tudo é possível especialmente pelas performances de De Niro e Depardieu neste que é o primeiro e um dos mais longos filmes de metáfora política já realizado. 

Nota-se todo o cuidado e amor de Bertolucci pelo projeto. E diga-se de passagem, um filme que só foi possível depois do êxito, para o bem e para o mal, assombroso de O Último Tango em Paris. Assim sendo, como já foi dito, a trama percorre quatro décadas de história da luta social. É uma película, acreditem, de cinco horas! Perfeito para ter sido lançado como minissérie, mas ousaram por lançá-lo nos cinemas. Mas, óbvio, foi divido em duas partes. Mas, que também fique claro. Foi uma árdua filmagem. Não foi feito para ser divertido. E, quanto a isso, Bertolucci ia até o fim com o seu virtuosismo cinematográfico com mão de ferro. E para você já habituado na visão do diretor, sim, é um filme polêmico, sobretudo nas cenas de sexo e nudez explícito. Dito isso, é também um filme recompensador depois que terminamos de assistir pacientemente. Pode soar pretensioso demais e até forçado. Engano. 1900 funciona comigo, mas é um filme que faz presumir um conhecimento mais apurado e mesmo que básico da história moderna da Itália. Bertolucci vincula aqui todos os pontos mais sutis dessa luta social aos destinos entrelaçados de dois homens. Começando com cenas sangrentas dignas de filmes gore de horror, passadas na zona rural italiana no pós-guerra. É uma narrativa que retorna ao nascimento quase simultâneo de dois netos importantes - o do proprietário de um vinhedo vivido por BURT LANCASTER e o de seu melhor funcionário na pele de STERLING HAYDEN. Por ironia do destino os dois tornam-se melhores amigos de infância. Quando adultos, porém, Alfredo (De Niro) leva a vida hedonística e vazia que sua ascendência aristocrática lhe permite, enquanto Olmo (Depardieu - e que, aliás, era um galã na época!) continua sendo um trabalhador zangado. Centradas sobretudo na propriedade e em uma aldeia próxima, as locações limitadas ampliam a sensação de microcosmo transmitida pelo filme: os homens simbolizam as classes sociais divididas da Itália, a área em que vivem sendo a própria Itália. Quando Alfredo se casa com uma moça sofisticada, papel de DOMINIQUE SANDA (havia atuado para o diretor em "O Conformista" e é conhecida em filmes como "Rios Vermelhos", de Kassovitz e protagonista de "O Primeiro Amor", 1970, do também ator Maximilian Schell), os trabalhadores esperam obter condições melhores, mas um capataz de fazenda brutal interpretado esplendidamente por DONALD SUTHERLAND, como um vilão inesquecível e provavelmente a lembrança mais impactante do filme, torna isso impossível usando sua coerção de Camisa Negra. 


Pode parecer trama de telenovela. Talvez os grandes autores do gênero rural como Benedito Ruy Barbosa tenha bebido desta fonte. De qualquer forma, 1900 configura entre os mais honestos filmes megalomaníacos do cinema. Com um elenco fenomenal, direção de arte e fotografia caprichadas e composição sinfônica clássica assinada pelo mestre Ennio Morricone. É também polêmico por evidenciar os pênis de De Niro e Depardieu numa cena de transa bissexual com Stefania Casini. Puro Bertolucci ao ligar as câmeras e dizer ação no mais íntimo e profundo encontro visceral do erotismo ao pano de fundo histórico  pungente. 

Itália | França | Alemanha Ocidental
Drama Histórico
5h 17min. 
⭐️⭐️⭐️⭐️⭐️






ALBERTO GRIMALDI apresenta
um filme de
BERNARDO BERTOLUCCI

NOVECENTO

com
ROBERT DE NIRO
GÉRARD DEPARDIEU
DOMINIQUE SANDA
FRANCESCA BERTINI
LAURA BETTI
WERNER BRUHNS
STEFANIA CASINI
ANNA HENKEL-GRÖNEMEYER
ELLEN SCHWIERS
PAULO BRANCO
STERLING HAYDEN como Leo Dalcò
ALIDA VALLI como Signora Pioppi
ROMOLO VALLI como Giovanni Berlinghieri
também estrelando
STEFANIA SANDRELLI
DONALD SUTHERLAND
e
BURT LANCASTER

Música de
ENNIO MORRICONE

Fotografado por
VITTORIO STORARO

Montagem
FRANCO ARCALLI

Direção de Arte
MARIA PAOLA MAINO
GIANNI QUARANTA
EZIO FRIGERIO

Figurinos
GITT MAGRINI

Roteiro
FRANCO ARCALLI
GIUSEPPE BERTOLUCCI
BERNARDO BERTOLUCCI

Produtor
ALBERTO GRIMALDI

Diretor
BERNARDO BERTOLUCCI
© 1976 PEA - Produzioni Europee Associate - Roma / Les Productions Artistes Associes S.A. Paris / Artemis Film GMBH – Berlin -  Technicolor

Um comentário:

Hugo disse...

Nos anos noventa um versão de "1900" dublada em italiano chegou a circular por aqui em VHS e depois em DVD.

Realmente a trama e o estilo lembram uma novela em alguns momentos, ou como você citou, os autores daqui também copiaram o estilo e adaptaram para os folhetins de tv.

Abraço

🚪 Acervo de Películas

00's 007 10's 20's 30's 3D 40's 50's 60's 70's 80's 90's Ação Adoro Cinema Akira Kurosawa Al Pacino Alec Guinness Alfonso Cuarón ALIEN Almodóvar ANG LEE Angelina Jolie Animação ARNOLD SCHWARZENEGGER Arthur P. Jacobs Audrey Hepburn Aventura Batman Bela Lugosi Bernardo Bertolucci Bette Davis Billy Wilder Blake Edwards Blaxploitation Bob Fosse Boris Karloff Brian De Palma Bryan Singer Buster Keaton Carl Laemmle Carol Reed Carrie Fisher Cary Grant Cecil B. DeMile Chaplin Charlton Heston Christopher Nolan CINE TRASH Cine-Doc CINEASTAS Cinebiografia Cinema Asiático Cinema Europeu Cinema LGBT Cinema Marginal Cinema MUDO CINEMA PRETO & BRANCO Cinema Rodrigo Clark Gable Clássicos Claude Rains Clint Eastwood Colin Trevorrow Comédia Coppola Crepúsculo CULTS Curt Siodmak Curta-metragem Curtis Hanson Daniel Craig DANNY BOYLE Danny DeVito Dario Argento Darren Aronofsky David Bowie David Cronenberg David Fincher David Lean DAVID LYNCH David O. Selznick DC Comics Denzel Washington Disney Documentário Drama Drogas Eduardo Coutinho Eisenstein Elia Kazan Elvis Presley Épico Época Erotismo Errol Flynn ESPECIAIS Fantasia Fatos Reais Fellini FERNANDO MEIRELLES FILMES IRREGULARES Filmes Natalinos FOX FRANÇOIS TRUFFAUT FRANK CAPRA Frank Darabont Frank Oz Fritz Lang Gangsters Gene Wilder George A. Romero George Cukor George Lucas George Miller George Stevens George Waggner Georges Méliès. Gérard Depardieu Giallo Gillo Pontercorvo Grace Kelly Greta Garbo Guerra GUEST SERIES Guillermo del Toro Gus Van Sant Halloween Harold Lloyd Harrison Ford HARRY POTTER Henri-Georges Clouzot Henry Selick Hitchcock Home Video Homem-Aranha Howard Hawks HQ Humphrey Bogart INDIANA JONES Infantil Ingmar Bergman Ingrid Bergman Irmãos COEN Isabelle Huppert Ivan Reitman J.J. Abrams Jack Arnold Jack Nicholson Jacques Tourneur James Cameron James Ivory James Stewart JAMES WHALE Janet Leigh Japão Jason JEAN-LUC GODARD Jim Henson Joan Crawford Joel Schumacher John Carpenter John Ford JOHN HUGHES John Huston John Landis John Waters Jonathan Demme Joon Ho Bong José Mojica Marins Joseph L. Mankiwicz Judy Garland Kate Winslet Katharine Hepburn Kevin Spacey KING KONG Kirk Douglas KRZYSZTOF KIESLOWSKI Lars Von Trier Lawrence Kasdan Leonardo DiCpario Liza Minnelli Lon Chaney Jr Luc Besson Luca Guadagnino Luis Buñuel M.Night Shyamalan Marilyn Monroe Mário Peixoto Mark Hamill Marlene Dietrich Marlon Brando Martin Scorsese MARVEL Matinê Mel Brooks Melhores do Ano Michael Curtiz Michael Douglas Michael Haneke Michael Jackson Michael Powell Michel Gondry Michelangelo Antonioni Milos Forman MONSTERS COLLECTION Monstros Musicais Nacional Noir NOUVELLE VAGUE O Senhor Dos Anéis Oliver Stone Olivia de Havilland Orson Welles Oscar Outubro Das Bruxas P.T. ANDERSON Pam Grier Pânico Paramount Park Chan-wook Paul Verhoeven PERFIL Peter Bogdanovich PETER JACKSON Philip K. Dick Pier Paolo Pasolini Pierce Brosnan Piores do Ano Pipoca PIXAR Planeta Dos Macacos Policial Quentin Tarantino Rian Johnson Richard Donner RIDLEY SCOTT RKO Road-Movie Robert De Niro Robert Rodriguez Robert Wise Robert Zemeckis Roger Moore Rogério Sganzerla Roman Polanski Romance Sam Mendes Sam Peckinpah SAM RAIMI Sangue Scarlett Johansson Sci-Fic Sean Connery Sean Penn Sergio Leone Sessão Da Tarde Sessão Dinossauro Sessão DUPLEX Cinema MUDO Sessão Surpresa SESSÃO TRAILER Sexo SEXTA-FEIRA 13 Sharon Stone Sidney Lumet Sigourney Weaver Sofia Coppola Spielberg Stan Lee Stanley Donen Stanley Kubrick Star Trek Star Wars Stephen King SUPER HERÓIS Suspense Terror Thriller Tim Burton Timothy Dalton TOD BROWNING Tom Cruise Tom Hanks Tom Tykwer Trash TV Uma Thurman UNIVERSAL STUDIOS Universo Jurassic Park Victor Fleming Violência Vivien Leigh Wachowski Walter Hugo Khouri Walter Salles Warner Wes Craven Western William Castle William Friedkin Wolfgang Petersen Wong Kar Wai Woody Allen Zé do Caixão