sexta-feira, 19 de abril de 2013

UM DRINK NO INFERNO

THE FUCKING VAMPIRES

CINE TRASH
7
Dois criminosos fugindo das autoridades sequestram um ex-pastor e seus dois filhos que os ajudam a atravessarem a fronteira com o México. Mas, quando a dupla procura refúgio em uma casa noturna barra pesada terão de lutar por suas vidas, pois eles jamais poderiam crer que o local fosse infestado por vampiros!
From ROBERT RODRIGUEZ. From QUENTIN TARANTINO. A mesma dupla de amigos responsáveis por pérolas como “Grindhouse” (Idem, 2007) – Planeta Terror (Planet Terror) e À Prova De Morte (Death Proof) e obras de arte como SIN CITY – A Cidade Do Pecado (Sin City, 2005). From Dusk Till Dawn (aqui como “Um Drink No Inferno”) é aberto até a madrugada, o que sugere o título original, que literalmente significa: “Do Crepúsculo até amanhecer”. É uma das minhas maiores guilty pleasures. Eu sei que é absurdamente trash e ruim, mas eu gosto. Certamente o maior descaso de Tarantino frente a um roteiro. Até mais “ruim” do que Death Proof. Uma ideia inusitada e divertida na época de seu apogeu e sucesso com Pulp Fiction na qual a fama lhe subiu a cabeça fazendo-o desenterrar um script antigo que se baseia num argumento do maquiador e criador de efeitos especiais e trucagens de filmes de terror, ROBERT KURTZMAN (de O Predador, Uma Noite Alucinante 3, Pânico, Contos da Escuridão) que já trabalhou em inúmeras produções do gênero e com diferentes e renomados diretores e sim, também merece mais crédito.



O filme ganhou o prêmio de Melhor Ator para George Clooney no Saturn Awards além de vencer como Melhor Filme de Terror daquele ano. Gerou mais duas continuações, sem maior envolvimento de Tarantino ou Rodriguez (embora sejam produtores executivos): Um Drink No Inferno 2: Texas Sangrento (From Dusk Till Dawn 2: Texas Blood Money, 1999) de Scott Spiegel com Robert Patrick (de Exterminador Do Futuro II) e Um Drink No Inferno 3 – A Filha Do Carrasco (From Dusk Till Dawn 3: The Hangman´s Daughter – lançado no mesmo ano e diretamente em vídeo com direção de P.J. Pesce) e estrelado por Michael Parks, Sonia Braga, Rebecca Gayheart e Marco Leonardi (de Cinema Paradiso).


Orgulhosamente trash em todos os níveis possíveis, Um Drink No Inferno é aquele tipo de filme exploitation para cinema pulgueiro. Mulheres peladas, palavrões, drogas e de certa forma, entrando na brincadeira e sendo um diferencial, com diálogos quentíssimos e corrosivos de Quentin Tarantino: “Everybody be cool. You be cool.” Ou: “Let's kill some fucking vampires!” 


Obviamente este script não se compara com as obras magistrais do roteirista e diretor de Kill Bill e Cães de Aluguel, mesmo assim, a graça e culpa esta justamente neste desprendimento de querer ser original e ou/genial, concluindo um trabalho ágil para um produto que nasceu como slasher movie e que utiliza vampiros como carniceiros demoníacos psicóticos. Aliás, o que agrada no filme é a mudança de tom na metade para o final, fazendo os bandidos virarem heróis numa bem sucedida troca de valores morais num verdadeiro e divertido banho de sangue, além de, é claro, a surpresa e susto (assistindo ao filme pela primeira vez e nunca irei esquecer quando menino) de acreditar que o filme era na verdade sobre vampiros! Eu sei que a comparação pode ser ridícula, mas sei lá, quem sabe o Tarantino não tenha se inspirado na estrutura do roteiro de Joseph Stefano para Psicose de Alfred Hitchcock? Primeiro se apresenta algum personagem que levará o espectador para a verdadeira conclusão da premissa. Marion Crane é assassinada na metade do filme na famosa cena do chuveiro para apresentar ao público o verdadeiro protagonista, Norman Bates. O mesmo choque, pelo menos pra mim, foi este plot de virada, matando o personagem de Tarantino até então um dos protagonistas num lugar infestado por sanguessugas dentuços e fazer com que um dos vilões torne-se instantaneamente e instintivamente em um anti-herói. 



Sem imaginar que apareceriam monstros, o filme à primeira vista assemelha-se com mais um estilo policial e fora da lei do universo Tarantinesco (mas na época nem sabia direito quem era esse Tarantino) e já começa com os foragidos e perigosos irmãos Gecko, Seth (Clooney) e Richard (Tarantino) que são procurados pelo FBI e pela polícia texana, Os Texas Rangers, por terem assassinado à queima roupa 16 pessoas. Tarantino, um descaso como ator apesar de todo o esforço, mas é caricato (provavelmente este é o único exemplo de que aceito sua presença constante diante as câmeras) faz um estuprador psicótico e que não consegue controlar seus impulsos, inventando situações para convencer seu irmão mais velho de que o refém mereceu morrer ou qualquer coisa que o valha. 

JOHN HAWKES numa divertida ponta
Evidentemente anormal, ele vive sendo persuadido pelo irmão que o cuida como se fosse uma criança. É esta dupla atrapalhada que se acham os espertalhões, que planeja seus atos sem calcular as consequências. São os piores sequestradores da história e que de vez em quando conseguem se sair bem de situações de risco, isso porque sequestram um ex-pastor que perdeu a fé depois que sua esposa morreu em um trágico acidente, Jacob Fuller, o ótimo Harvey Keitel, que apesar de ser alvo da fúria dos bandidos, consegue manter um diálogo pacífico.  Ele esta viajando em um trailer com os dois filhos, a bela Kate Fuller, Juliette Lewis que faz a típica ‘última garota’ dos filmes de terror e que toma as rédeas da situação apesar do rostinho de virgem e o asiático Ernest Liu como Scott. A família ajuda os Gecko a passarem pela fronteira mexicana (não sei por qual razão, nos filmes, os americanos idolatram o México fazendo do país um playground pecaminoso e exótico). Portanto, é em território mexicano que os vilões encontrarão refúgio numa casa noturna frequentada por motoqueiros e caminhoneiros, um âmbito violento que mistura cabaré e prostíbulo intitulado “Titty Twister” que é aberto para clientes notívagos que bebem até cair, assistem ao show erótico das dançarinas e fazem sexo até o amanhecer. 



O plano era ficar por lá, relaxar, tomar alguns drinks para passar o tempo enquanto esperam um traficante para a divisão de um dinheiro roubado que nem sequer nos interessa, mas que tem grande importância na premissa (o Macguffin como nas fitas de Hitch?). Apesar de alguns contratempos com o mestre das cerimônias na entrada do bar, o ótimo Cheech Marin, ator constante nos filmes de Rodriguez e que aparece em três diferentes papéis, na sua famosa cena em que apresenta diferentes tipos de bocetas (pussy) para os frequentadores (risos!), os Gecko, ainda conseguem desfrutar por alguns minutos o show da belíssima Salma Hayek interpretando a Vampira Santanico Pandemonium, com sua famosa dança que envolve uma serpente e que perto do clímax satisfaz o fetiche por pés de Tarantino numa cena very dirty



Foram estes movimentos sensuais que a transformou em estrela, embora tenha sido revelada em outra fita de Rodriguez, que a considera sua musa (e a Uma Thurman é do Tarantino) no sensacional A Balada Do Pistoleiro (Desperado, 95 com Banderas). Só que, antes mesmo de pagarem a conta, eles acabam tendo que se responsabilizar pelo acerto de contas de Chet Pussy (Marin) e o dono do local, Danny Trejo (outra figura frequente no universo Rodriguez é o Machete!) e na tal virada surpreendente que o filme faz, os Gecko se transformam em vítimas e passam a agradar a plateia quando tem que unir forças para combater o inacreditável, The fucking Vampires!

Depois disso, o inimaginável toma conta da película e tudo pode acontecer. Tarantino sai de cena para dar espaço a outros fregueses que ajudam os sobreviventes na caçada de última hora. Usando estacas (os pés das mesas e cadeiras) e improvisando, nada se compara ao marcante Tom Savini no papel mais icônico de sua carreira como ator, Sex Machine, que utiliza de sua pistola automática de prata que dispara balas de verdade.! Detalhe: esta arma letal encontra-se na sua virilha na qual, literalmente no saco escrotal, as balas passam pelo tambor e o próprio pênis atira! Morro de rir com o Savini, de longe, a figura mais cômica da fita. Além disso, o cara usa um chicote à La Indiana Jones para sacanear os caras!


O ator negro Fred Williamson, de clássicos notáveis como: O Chefão de Nova York (Black Caesar, 1973) e MASH (1970) de Robert Altman, faz uma participação especial como Frost, um veterano do Vietnã, uma evidente referência a MASH! Antigamente eu o confundia com o Shaft, papel do imortal Richard Roundtree! No entanto, é a aparição inicial antes dos créditos de Michael Parks vivendo pela primeira vez o seu icástico Earl McGraw, o xerife local do Texas Rangers que mais tarde apareceria em outras obras de Tarantino e Rodriguez, o grande destaque. Nas revisões é interessante apreciar Parks bem mais jovem, mas na época nem era possível associá-lo a um personagem que marcaria sua carreira. 



O mais curioso é que os Gecko o matam logo de cara o que me faz crer que sua ligação com os outros filmes do Taranta tenha ocorrido anteriormente, se seguirmos uma lógica. Lembram daquela teoria do Selton Mello no curta-metragem “Tarantino´s Mind?

O título original do filme é também uma inspiração de Tarantino com relação às atrações dos cinemas de drive-in, na qual se passava filmes à noite toda e destinados a adolescentes que os “assistiam” em seus carros enquanto... Essas sessões terminavam (não sei dizer se atualmente é um divertimento constante nos EUA) somente pela manhã.


TOM SAVINI hilário!
Outro momento engraçado no filme é a participação de uma banda de rock, os “Tito & Tarantula” formada em 1992 e que obviamente cria um som heavy metal e colaboram na trilha sonora do filme com o tema-canção sexy de Hayek, “After Dark”. Outra banda do gênero também faz parte da trilha, The Blasters, de 79 e ainda na ativa, responsável pelo tema principal, “Dark Night”.

Dois personagens seriam representados por Tim Roth e Steve Buscemi que foram cortados do roteiro devido a comprometimento dos atores em outros projetos. O que é comum acontecer com Tarantino (aconteceu o mesmo com a atriz Maggie Cheung que teria um papel em Bastardos Inglórios e Joseph Gordon-Levitt que também foi cortado de Django Livre).

Brenda Hillhouse que interpreta a refém do porta-malas foi a professora de teatro de Tarantino. Ela também trabalhou em Pulp Fiction no papel da mãe de Butch na cena do relógio com Christopher Walken.


Hayek improvisou sua cena de dança já que a equipe não tinha um coreógrafo. Rodriguez sugeriu que ela “sentisse a música”, a mesma direção e tática sucedeu com Jessica Alba em uma cena parecida em Sin City.

John Travolta e Michael Madsen foram cogitados para fazer Seth Gecko, mas a ótima oportunidade caiu no colo de Clooney na época apenas um rosto conhecido na televisão através da série E.R. Plantão Médico e que de certa forma foi seu debut no cinema, mas não podemos esquecer que o ator fez uma pontinha em outro trash: A Volta Dos Tomates Assassinos (Return of the Killer Tomatoes! 1988 de John De Bello). Quem assiste Clooney hoje em dia não acredita!

Segundo Tarantino, a escolha inicial para a direção do filme era Tony Scott e depois Renny Harlin após a recusa de Kurtzman. Rodriguez se interessou pelo projeto depois que o amigo lhe mostrou o roteiro.

Sangrento, hilário e de um contra-senso fora do comum, Um Drink No Inferno já é um clássico. Kafkiano em muitos momentos, a fita é um parque de diversões ultrajante e com um sensacional senso de humor. É quando os vampiros resolvem perder a classe na tentativa de morder alguns pescoços.


EUA

AÇÃO/POLICIAL/TERROR

COR

107 min.

IMAGEM FILMES       




DIMENSION FILMS Apresenta
A BAND APART
Em sociedade com LOS HOOLIGANS
UM FILME DE 
ROBERT RODRIGUEZ
HARVEY KEITEL    GEORGE CLOONEY  
QUENTIN TARANTINO   E:   JULIETTE LEWIS
Co-estrelando:
SALMA HAYEK
CHEECH MARIN
DANNY TREJO
TOM SAVINI
FRED WILLIAMSON
MICHAEL PARKS
BRENDA HILLHOUSE
JOHN SAXON
MARC LAWRENCE
KELLY PRESTON
JOHN HAWKES
& ERNEST LIU como Scott Fuller
Efeitos Especiais de Maquiagem
KURTZMAN, NICOTERO & BERGER EFX GROUP INC.
Trilha Musical GRAEME REVELL Figurinos GRACIELA MAZON
Cenografia CECILIA MONTIEL 
Fotografado por GUILHERMO NAVARRO
Co-produtores: ELIZABETH AVELLAN. PAUL HELLERMAN
ROBERT KURTZMAN. JOHN ESPOSITO
Produtores Executivos
LAWRENCE BENDER    ROBERT RODRIGUEZ  
QUENTIN TARANTINO
Argumento ROBERT KURTZMAN
Escrito por
QUENTIN TARANTINO
Produzido por GIANNI NUNNARI. MEIR TEPER
Editado e Dirigido por ROBERT RODRIGUEZ
FROM DUSK TILL DAWN ©1996 Dimension Films/ A Band Apart
Los Hooligans Productions/ Miramax Films

7 comentários:

renatocinema disse...

PQP. esse é um filmão....adoro o estilo trash da obra.

Único filme, na minha vida, que vi duas vezes no cinema......amo a liberdade poética de Tarantino.

Um Drink no Inferno não deve e não pode ser levado a sério........TRASH NO MELHOR ESTILO.

Reinaldo Glioche disse...

Ah... eu adoro "Um drink no inferno". Não é só seu guilty pleasure não! rsrs. Não me recordo com essa avidez dessas cenas senscionais, mas seu texto me bateu aquela vontade de rever o filme...
O que não sai da cabeça, no entanto, é o streap de Hayek...
Abs

! Marcelo Cândido ! disse...

Salma Hayek é algo excepcional!

Hugo disse...

Extremamente divertido, um grande brincadeira de Tarantino e Rodriguez.

Abraço

Amanda Aouad disse...

Divertido, trash, sem noção, hehehe. Gosto bastante da proposta. E acho que a melhor coisa é o impacto daquele revelação final no passeio da câmera pelo, digamos, outro lado da boate.

bjs

Rodrigo Mendes disse...

Renato: Poesia Tarantinesca despretensiosa, rs adoramos!

Reinaldo: Já foi rever o filme? rsrs
A dança da Salma é algo que marca pra sempre, sobretudo na parte dos pés! Que bom saber que não é apenas a minha guilty pleasure hehehe!
Abs.

Marcelo: O filme foi um grande destaque em sua carreira, ao menos deixou ela mais famosa!

Hugo: Adoro quando esses dois brincam com o exploitation! Por isso também curti o projeto Grindhouse.
Abs.

Amanda: Adoro esta reviravolta que o filme dá!
Bjs!

meroSmero disse...

Adoro!!!

🚪 Acervo de Películas

00's 007 10's 20's 30's 3D 40's 50's 60's 70's 80's 90's Ação Adoro Cinema Akira Kurosawa Al Pacino Alec Guinness Alfonso Cuarón ALIEN Almodóvar ANG LEE Angelina Jolie Animação ARNOLD SCHWARZENEGGER Arthur P. Jacobs Audrey Hepburn Aventura Batman Bela Lugosi Bernardo Bertolucci Bette Davis Billy Wilder Blake Edwards Blaxploitation Bob Fosse Boris Karloff Brian De Palma Bryan Singer Buster Keaton Carl Laemmle Carol Reed Carrie Fisher Cary Grant Cecil B. DeMile Chaplin Charlton Heston Christopher Nolan CINE TRASH Cine-Doc CINEASTAS Cinebiografia Cinema Asiático Cinema Europeu Cinema LGBT Cinema Marginal Cinema MUDO CINEMA PRETO & BRANCO Cinema Rodrigo Clark Gable Clássicos Claude Rains Clint Eastwood Colin Trevorrow Comédia Coppola Crepúsculo CULTS Curt Siodmak Curta-metragem Curtis Hanson Daniel Craig DANNY BOYLE Danny DeVito Dario Argento Darren Aronofsky David Bowie David Cronenberg David Fincher David Lean DAVID LYNCH David O. Selznick DC Comics Denzel Washington Disney Documentário Drama Drogas Eduardo Coutinho Eisenstein Elia Kazan Elvis Presley Épico Época Erotismo Errol Flynn ESPECIAIS Fantasia Fatos Reais Fellini FERNANDO MEIRELLES FILMES IRREGULARES Filmes Natalinos FOX FRANÇOIS TRUFFAUT FRANK CAPRA Frank Darabont Frank Oz Fritz Lang Gangsters Gene Wilder George A. Romero George Cukor George Lucas George Miller George Stevens George Waggner Georges Méliès. Gérard Depardieu Giallo Gillo Pontercorvo Grace Kelly Greta Garbo Guerra GUEST SERIES Guillermo del Toro Gus Van Sant Halloween Harold Lloyd Harrison Ford HARRY POTTER Henri-Georges Clouzot Henry Selick Hitchcock Home Video Homem-Aranha Howard Hawks HQ Humphrey Bogart INDIANA JONES Infantil Ingmar Bergman Ingrid Bergman Irmãos COEN Isabelle Huppert Ivan Reitman J.J. Abrams Jack Arnold Jack Nicholson Jacques Tourneur James Cameron James Ivory James Stewart JAMES WHALE Janet Leigh Japão Jason JEAN-LUC GODARD Jim Henson Joan Crawford Joel Schumacher John Carpenter John Ford JOHN HUGHES John Huston John Landis John Waters Jonathan Demme Joon Ho Bong José Mojica Marins Joseph L. Mankiwicz Judy Garland Kate Winslet Katharine Hepburn Kevin Spacey KING KONG Kirk Douglas KRZYSZTOF KIESLOWSKI Lars Von Trier Lawrence Kasdan Leonardo DiCpario Liza Minnelli Lon Chaney Jr Luc Besson Luca Guadagnino Luis Buñuel M.Night Shyamalan Marilyn Monroe Mário Peixoto Mark Hamill Marlene Dietrich Marlon Brando Martin Scorsese MARVEL Matinê Mel Brooks Melhores do Ano Michael Curtiz Michael Douglas Michael Haneke Michael Jackson Michael Powell Michel Gondry Michelangelo Antonioni Milos Forman MONSTERS COLLECTION Monstros Musicais Nacional Noir NOUVELLE VAGUE O Senhor Dos Anéis Oliver Stone Olivia de Havilland Orson Welles Oscar Outubro Das Bruxas P.T. ANDERSON Pam Grier Pânico Paramount Park Chan-wook Paul Verhoeven PERFIL Peter Bogdanovich PETER JACKSON Philip K. Dick Pier Paolo Pasolini Pierce Brosnan Piores do Ano Pipoca PIXAR Planeta Dos Macacos Policial Quentin Tarantino Rian Johnson Richard Donner RIDLEY SCOTT RKO Road-Movie Robert De Niro Robert Rodriguez Robert Wise Robert Zemeckis Roger Moore Rogério Sganzerla Roman Polanski Romance Sam Mendes Sam Peckinpah SAM RAIMI Sangue Scarlett Johansson Sci-Fic Sean Connery Sean Penn Sergio Leone Sessão Da Tarde Sessão Dinossauro Sessão DUPLEX Cinema MUDO Sessão Surpresa SESSÃO TRAILER Sexo SEXTA-FEIRA 13 Sharon Stone Sidney Lumet Sigourney Weaver Sofia Coppola Spielberg Stan Lee Stanley Donen Stanley Kubrick Star Trek Star Wars Stephen King SUPER HERÓIS Suspense Terror Thriller Tim Burton Timothy Dalton TOD BROWNING Tom Cruise Tom Hanks Tom Tykwer Trash TV Uma Thurman UNIVERSAL STUDIOS Universo Jurassic Park Victor Fleming Violência Vivien Leigh Wachowski Walter Hugo Khouri Walter Salles Warner Wes Craven Western William Castle William Friedkin Wolfgang Petersen Wong Kar Wai Woody Allen Zé do Caixão